Mutações BRCA em câncer de ovário

Infographic showing prevalence of BRCA mutations in ovarian and breast cancer, lifetime risk of ovarian cancer in women with BRCA1 and BRCA2 mutations. BRCA testing is the only way to identify the mutation status of an individual patient

BRCA1 e BRCA2 são genes supressores de tumor17 - agindo como 'freios' celulares para prevenir o desenvolvimento de câncer

  • Proteínas codificadas pelos genes BRCA1 reparam DNA danificado, desempenhando assim um papel central na manutenção da integridade genômica17
  • Mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 podem resultar em uma perda dos mecanismos de reparação de DNA, permitindo às células acumular anormalidades em seu DNA17
Chromosome 17 showing BRCA1 mutation in gold

BRCA1

Cromossomo 17

Chromosome 13 showing BRCA2 mutation in mulberry

BRCA2

Cromossomo 13

Milhares de mutações foram encontradas nos genes BRCA18

Milhares de mutações nonsense, missense, frame shift e silenciosas foram identificadas nos genes BRCA1 and BRCA2 genes18

As mutações nos genes BRCA podem ocorrer na linhagem germinativa ou germline (hereditárias) ou apenas em tecido tumoral, somáticas (não-hereditárias).

  • Prejudiciais e associadas a doenças/patogênicas
  • Variantes de significância desconhecida (VUS)
  • Variantes genéticas que são provavelmente neutras e sem importância clínica

A AstraZeneca está trabalhando para melhorar o entendimento da prevalência de mutações BRCA

A AstraZeneca atualmente apoia inúmeros estudos epidemiológicos para caracterizar ainda mais a prevalência das mutações BRCA e identificar as características de pacientes que podem ser usadas para direcionar mulheres para o teste BRCA.

Referências

  1. Alsop K, et al. J Clin Oncol 2012;30:2654–63.
  2. Nicoletto MO, et al. Cancer Treat Rev 2001;27:295–304.
  3. Finch AP, et al. J Clin Oncol 2014;32:1547–53.
  4. Balmaña J, et al. Ann Oncol 2011;22(Suppl 6):vi31–4.
  5. Rhiem K, et al. Breast Cancer Res 2012;14:R156.
  6. Tai YC, et al. J Natl Cancer Inst 2007;99:1811–4.
  7. Petrucelli N, et al. Genet Med 2010;12:245–59.
  8. Robles-Diaz L, et al. Fam Cancer 2004;3:259–64.
  9. Janavicius R. EPMA J 2010;1:397–412.
  10. Hirsh-Yechezkel G, et al. Gynecol Oncol 2003;89:494–8.
  11. Jacobi CE, et al. Genet Med 2007;9:173–9.
  12. Malander S, et al. Eur J Cancer 2004;40:422–8.
  13. Pal T, et al. Cancer 2005;104:2807–16.
  14. Soegaard M, et al. Clin Cancer Res 2008;14:3761–7.
  15. Stavropoulou AV, et al. PLoS One 2013;8:e58182.
  16. Risch HA, et al. Am J Hum Genet 2001;68:700–10.
  17. Welcsh PL, King MC. Hum Mol Genet 2001;10:705–13.
  18. EMQN best practice guidelines. Available at: http://www.emqn.org/emqn/digitalAssets/0/232_EMQNBRCAguidelines0908.pdf. Last accessed January 2015.